Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto. 1722-

Produtor


O acórdão municipal de 17 de outubro de 1722 determinou a eleição de 100 homens para acudir aos incêndios, dando origem a uma organização de combate aos fogos na cidade do Porto. Com a reestruturação efetuada ao abrigo da Provisão de D. João V de 9 de setembro de 1728, os efetivos duplicam, passando este corpo a designar-se Companhia do Fogo ou da Bomba. A partir de 1832 a Companhia da Bomba toma o nome de Companhia de Incêndios.
Em 1858, o Senado da Câmara cria o Pelouro dos Incêndios, o que vai permitir uma melhor articulação entre o município e os bombeiros.
Aprovado o novo regulamento e o quadro de pessoal que começou a vigorar a partir de janeiro de 1888, a Companhia de Incêndios volta a mudar de nome para Corpo de Salvação Pública. Em janeiro de 1941, com a entrada em vigor da nova organização dos serviços da Câmara Municipal do Porto, o Corpo de Salvação Pública evolui para Batalhão de Sapadores Bombeiros, ficando subordinado à Direção dos Serviços de Urbanização e Obras.
Entre os séculos XVIII e XX os bombeiros municipais dispuseram de estações de apoio que estavam distribuídas pela cidade. A estação principal de comando estava situada no edifício junto aos Paços do Concelho. Em 1904 iniciou-se a construção de um edifício para quartel dos bombeiros municipais, situado na Rua de Gonçalo Cristóvão. A necessidade de instalações modernas levou à transferência para um novo quartel na Rua da Constituição que é inaugurado em 1959, recebendo o nome de Quartel Guilherme Gomes Fernandes.

  • Unidades Documentais

  • Descrição
    • Outras formas
      • Companhia da Bomba. 1722-1832
      • Companhia do Fogo. 1722-1832
      • Companhia dos Incêndios. 1832-1888
      • Corpo de Salvação Pública. 1888-1941
    • Tipo de entidade Coletividade

    • Código parcial BSB
    • Data de existência desde 1722
    • Zona geográfica

      Porto

    • Funções, ocupações e actividades

      O Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto tem como missão garantir a proteção de pessoas, de bens e do ambiente, principalmente na área do Município do Porto: combater os incêndios, transportar os doentes e socorrer os náufragos na cidade.
      Presentemente, atua de forma preventiva através dos gabinetes seguintes:
      Gabinete Técnico (análise de projetos: informação prévia, loteamento, arquitetura, projeto/estudo de segurança, vistorias de segurança, licenciamento, aprovação de planos de segurança, inspeções periódicas);
      Gabinete de Estudos e Formação (planos prévios de intervenção, ações de sensibilização, ações de formação, exercícios de evacuação, simulacros);
      Gabinete de Proteção civil (revisão do plano municipal de emergência, elaboração do plano especial de cheias, exercícios de proteção civil de nível municipal, formação e sensibilização).

    • Língua
      Portuguese

  • Relações